terça-feira, 28 de julho de 2009

CHÃO MÃE

Procurei um poema do Zé Alexandre. Lembrei-me deste "Chão Mãe" pois na altura que o li o poema deixou-me tão feliz por ser tão simples e pelar às raízes, ao nosso estado bruto. No fundo, somos todos poeira! Poeira de estrelas! Os átomos, protões, electrões, gluões, quarks, são exactamente os mesmos que constituem as estrelas! Não é impressionante?

Quando a luz me foge
e a dor me sobra,
lavo-me nas lágrimas soltas,
corridas do espírito,
caídas no chão.
“Chão mãe”, vaso imenso,
de tudo cheio,
onde a vida fica,
em espera final.
Se o sofrimento alcança a resignação
e o mutismo,
toma de mim a indiferença,
respiro o cheiro da terra,
trago-a para perto,
chamo-lhe casa
e lá pernoito como peregrino,
como mendigo.

1 comentário:

Leitores SOS Murça disse...

Graças a ti chamo as estrelas cada vez que piso o pó da terra. Linda amiga!