quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

PINTAR O TEU ANIVERSÁRIO com 3 pintores


Simon Hemmer, The Fury, 2008



                                Albert Oehlen

Loris Lombardo

O primeiro quadro, de Simon Hemmer, pintor-seguidor-aprendiz de Albert Oehlen, exprime a desintegração (ou a integração, tu decides...) do universo, todo ele em pleno alvoroço destrutivista ou criacionista ( ???) e foi nesta fúria metafísica que encontrei o motivo da oferta desta obra de arte onde a cor prepara a implosão final numa espécie de névoa emergente que impressiona o espectador num contraste cromático que quase vicia o olhar. Podes vê-lo em exposição algures (não fixei o nome da galeria!) na cidade de Amesterdão. Vamos lá um destes dias?

O segundo quadro, de Albert Oehlen, o pintor alemão considerado o grande revolucionário da arte abstracta contemporânea, foi a primeiríssima escolha para a decoração deste post dedicado ao teu aniversário. A obra dele encontra-se em exposição (intitulada “ Realidade Abstracta”) em Paris no Museu de Arte Moderna e é interessantíssima... Na revista Vogue de Dezembro (na edição espanhola) Oehlen dá-se a conhecer numa interessante entrevista. A sua trajectória no mundo da pintura é diversificada, recheada de mudanças e constantes transgressões. Passou do estilo figurativo para o abstracto, da colagem para o chamado “computer painting”, valendo mesmo a pena conhecer as suas obras tão ricas e multifacetadas. Com excesso de humildade (que na voz e nos gestos de alguns “fora de série” me irrita em demasia), Oehlen confessa, logo no início da entrevista, algumas palavras inesperadas :“É impossível pintar pior (…) Não tenho nenhuma garantia de que no final me tomem a sério.”


A pintura que dele escolhi para dar cor ao teu aniversário não tem maior pretensão do que oferecer-te um ramalhete de flores abstractas, num gesto artístico em que leio muita amizade. O corpo da figura humana representada, apesar de parecer masculino, é comprovadamente feminino pelo poder transfigurativo da palavra que o pintor lhe inscreve, à maneira de Magritte. Achei isto genial. Isto e tudo o resto, feito de tinta e imaginação. Só comprovei uma vez mais que mais do que a beleza de um rosto, o que interessa é o coração e os gestos que o animam.

O terceiro quadro, do pintor napolitano Loris Lombardo, agradou-me por me lembrar de um qualquer nascimento. Talvez devido à expressão de uma forte desprotecção que essa criança exibe e, por extensão, da impotência com que qualquer ser humano se vê confrontado perante a desajustada luta entre o frio e a completa nudez. A meu ver, a primeira roupa devia vir agarrada à pele. Isto seria o ideal para precaver a situação da criança que nasce na pobreza ou que tem uma mãe ou um pai loucos. A morte é, neste aspecto, mais confortável, pois não vamos nus para debaixo da terra… Há sempre alguém com a coragem e a bondade de vestir o morto. Agradou-me a expressão inexpressiva da criança a contrastar com a sua posição cruzada dos braços, funcionando como uma invocação desesperada e agónica e apaziguando toda a falta de expressividade humana. Adoro as cores de fundo que pintam o real, a chuva geométrica, multicolor e angulosa e, finalmente, o aspecto estranho de um cabelo vivo que mais parece uma vista parcelar do globo terrestre.

Espero que gostes tanto como eu destas três pinturas, destes três pintores, que te dizem, cada qual à sua maneira, “Parabéns Anabela”!



Uma Flor do outro Mundo - um Poema de Aniversário para 29/12/09



Num só verso pode nascer uma flor do outro mundo.
basta regá-lo com palavras estranhas
bem nas entranhas
deste poema de aniversário.
líquidas
iridiscentes
vítreas
nascem pétalas incertas a empurrar esta data.
são dessa flor estrangeira feita de sílabas
que soletram o nascer. novo ser.
basta cantar-lhe poesia. vê-la neste telescópio
criado mesmo agora para a poder ver:
T E L E S C Ó P I O
e ao espreitar a límpida lente vê
todo o espaço em branco da não escrita
todo o espaço negro que o universo não ocupa
e uma flor do outro mundo
impressa a tinta tão espessa
que o teu nome quase não se lê
por detrás dos estames
deste poema de aniversário.

PARABÉNS ANABELA!

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Só para mim, Luís Miguel Nava



«Queria ter o sol só para mim.
tê-lo de forma a dele poder de vez em quando ceder parte apenas a um dos meus mais íntimos amigos


Pat que me faz sentir a melhor das amigas. O poema foi retirado do livro que me ofereceu... Obrigada doce amiga)

domingo, 20 de dezembro de 2009

O Senhor Walser - Gonçalo M. Tavares



A leitura de O Senhor Walser (Robert Walser, o famoso contista suiço), o vizinho mais periférico do bairro de Gonçalo M. Tavares, fez uma das delícias do meu sábado. Este "avatar filosófico" é um verdadeiro concentrado do poder narrativo (e imaginativo) de M. Tavares, que consegue através deste personagem misantropo corroborar a tese de que não há invasão mais violenta do que a da nossa própria intimidade, a do nosso espaço físico privado. A casa novíssima que o Senhor Walser constrói na floresta, esta última anunciada no desenho da capa pelos espessos e concêntricos círculos negros que inviabilizam uma visão perfeita do azul do céu, é invadida contra as maiores expectativas do personagem (que se imaginava a ser visitado por Thereza M., a quem esperava beijar brevemente no seu sofá cinzento ) por uma série de técnicos especializados em diversas avarias e remendos. Um atrás de outro lhe entram em casa, derrubam e constroem paredes a seu bel-prazer, deitam abaixo janelas que tapam provisoriamente recorrendo a cartões que fixam à parede com fita-cola forte, sobem andaimes até ao telhado rumo a uma fenda imprevista, levantam o soalho em vários compartimentos devido a problemas de infiltração, retiram rodapés, etc., etc., etc., passando a noite inclusivamente no seu espaço, já irreconhecível, dormindo no chão e onde lhes parecia mais cómodo de forma a evitar a escuridão que tinham que percorrer durante vários quilómetros, a uma hora já tardia, até ao bairro mais próximo. Mas para além de um enredo promissor, que se impõe por uma focalização inovadora relativamente aos aspectos mais rotineiros e desapercebidos dos "narradores normais" como, por exemplo, a forte sugestividade de uma torneira pousada no soalho, destaca-se a genialidade de uma escrita que faz cintilar o pormenor linguístico nos diferentes modos de expressão, tornando-o tão grande e importante como o motivo central que parece ter estado na génese desta obra. Assistimos, de resto, à celebração da simplicidade e da acutilância da palavra a par de um tema e de um nome da literatura alemã que não quer deixar esquecidos.




O caos imposto pela Natureza (a floresta) e pela sociedade (os vizinhos do bairro) de que aparentemente o senhor Walser se quer afastar acaba por ultrapassar a distância a que o mesmo se colocou, derrubando a barreira entre o saber comum e a intelectualidade esteta ao entrar pela porta da sua casa inaugural, com a forma humana de sucessivos canalizadores, electricistas, carpinteiros e demais técnicos de (re)construção do seu projecto de vida...que pela enorme casa concebida, seria pleno de expectativas discordantes das peripécias aqui descritas. Agradeço à Anabela este belo presente cheio da amizade dela, inscrita numa dedicatória que nunca esquecerei, como incentivo para a cura de alguns dos meus problemas existenciais que facilmente me tornam noutra pessoa, mais triste e ausente...



E agora não posso dispensar palavras deste escritor que nunca deixa de me causar espanto, de resto como a minha amiga Ana Bela Ana. Aqui seguem palavras que valem a pena ler e reler que remetem para o momento anterior à odisseia do ultimar técnico da casa, ainda quando Walser se regozijava de tanto usufruir de todas as suas novidades domésticas e decorativas:

"Na cozinha, Walser passava a mão curiosa pelos ladrilhos de parede. Um ou outro mais para fora e outros (claro) demasiado metidos para dentro, mas no geral todos no mesmo plano. (...) Abriu então a torneira e sem utilizar qualquer copo, inclinando como na infância o pescoço, bebeu a mais saborosa água de que se recordava. Com a mão limpou os ingos que lhe caíam do queixo e quase soltou um urro de contentamente por aquele tempo, finalmente, de clara solidão.Por ali, nem um único ruído de homem.


E os rodapés, por toda a casa, que perfeitos! Mais: que sentido estético! Que entendimento exacto da maneira como cor e forma se devem misturar como se existissem já assim (os rodapés) na natureza, desde o início.


Suspira, então, fundo, Walser, com a sensação de que encontrou algo de que jamais poderá abdicar.


Não se poderá acusar pois como excessivo esse movimento de quase dança com que Walser acaricia mobílias, roda manípulos de portas, se senta e levanta das várias cadeiras. Depois, deixa-se afundar no sofá cor de cinza, para dois, imaginando já a sua companheira, a forma como lhe afastaria os cabelos, como se aproximaria dela. O terreno está conquistado. A sua nova morada!


Walser senta-se então à mesa da sala e escreve a carta que há muitos anos lhe parece indispensável, dirigida a Thereza M. Nas suas linhas descreve, de modo contido, o espaço, e convida-a, com os mais recatados termos, para ua visita. Quanto tempo demorou a escrever aquela carta? Muito. Cada palavra no seu sítio, escrita cada letra como se da sua forma dependesse a própria estrutura da casa, as suas fundações. Que concentração, a de Walser!


Por fim, se bem que a morada estivesse bem clara no exterior do envelope, Walser não se coibiu de a repetir, bem como de desenhar na carta um mapa rudimentar com um enorme X assinalando o local. Queria ter a certeza de que ela - a "sua" Thereza - alcançaria, sem desvios ou equívocos, a porta da sua casa nova." (p. 18)

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

A Mulher que Prendeu a Chuva - Teolinda Gersão



"A mulher que prendeu a chuva" é mais uma micronarrativa de Teolinda Gersão que merece a atenção por proporcionar uma reflexão sobre o poder que os mitos exercem sobre o ser humano. Neste conto que dá o título a esta colectânea, é um mito africano que inebria por completo, durante precisamente 7 minutos,  o personagem principal, um viajante em negócios que se hospeda num hotel de luxo lisboeta e ouve a história da mulher que prendeu a chuva, pela voz de uma empregada de limpeza  negra, enquanto esta trabalha na sala contígua com uma colega de trabalho. O pensamento mágico cruza-se com um modo de pensar e de agir formatado pelo Ocidente, chocando com este.  Este texto faz lembrar que também na Idade Média a mulher era sacrificada por motivos idênticos, sendo vista como a encarnação do Mal. Mais uma vez a mulher ocupa um lugar de destaque na diegese Gersiana.

Sobre a escritora Teolinda Gersão, Vergílio Ferreira disse um dia: «É uma cúmplice, nesta loucura de encher a vida a escrever romances. Como se numa multidão indiferente alguém erguesse a voz para me saudar. Como se num deserto alguém esperasse para lhe passar o testemunho. Como se de repente eu fosse menos louco».

Também eu me sinto feliz e menos louca ao ler estas palavras do grande Vergílio Ferreira.... e sobretudo feliz por pressentir que o mundo da literatura de ficção arrasta cumplicidades tão fortes e amizades tão sinceras como se vê raramente. Como se a linguagem de uns e de outros escritores fosse ela própria  pessoas que nos fascinam, pessoas inesquecíveis, com olhares profundos sobre as coisas que acontecem sem palavras que as descrevam. Rostos com quem falamos sem sermos vistos. Verdades brancas. 

Mostro um excerto em que estão presentes as duas vozes narradoras das quais se sobreporá a voz africana que abrirá naquele quarto uma geografia exótica, "um pedaço de África intacto, como um pedaço de floresta virgem", onde o primeiro narrador, um narrador europeu, se perdeu.



"Foi então que percebi que falavam . Uma delas sobretudo, era a que falava, a outra limitava-se a lançar interrogações, ou a emitir sons, de quando em quando. Eram duas vozes diferentes, que se manifestavam de maneira desigual.


A chuva, ouvi dizer uma delas. Foi por causa da chuva (...)


Foi por causa da chuva, repetiu.


Não chovia há muito tempo e tudo tinha começado a morrer. Até as árvores e os pássaros. As pessoas tropeçavam em pássaros mortos. (...).


Tudo tinha secado, a terra abria fendas, ouvi a mulher dizer ainda. Gretada de falta de água. A terra tinha feridas na pele. Animais morriam. Pessoas morriam. Crianças morriam. O ribeiro secou. O céu secou. As folhas torciam-se, nas árvores, e depois também as árvores secavam. (...)


Então começaram vozes, nas pessoas da aldeia (...)


Alguém era culpado pela seca. E depois começaram as vozes, na aldeia, de que a culpada era aquela mulher. Outros diziam que não. Ninguém sabia ao certo. Mas a seca não acabava, e tudo continuava a morrer.


Até que chamaram o feiticeiro. Acenderam o lume e queimaram ervas e ele bebeu o que tinha que beber e ficou toda a noite a murmurar palavras que ninguém entendia. Pela manhã vieram os Mais Velhos e ele disse que era por causa da mulher. Foi isso que ele disse e todos ouviram: Aquela mulher prendeu a chuva.


Então os Mais Velhos entenderam o que se ia passar e olharam para o chão, porque tinham piedade da mulher que vivia sozinha, afastada da aldeia. Muito tempo antes o marido tinha-a abandonado e morrera-lhe um filho e ela tinha chorado tanto que o seu corpo tinha secado, os seus olhos tinham secado, toda ela se tinha tornado um tronco seco, dobrado para o chão. Tinha-se tornado bravia como um animal, nunca se ouvia falar, só gemia, e gritava às vezes de noite.


Essa mulher, repetiu o feiticeiro olhando para o chão.


Acendeu o cachimbo e soprou devagar o fumo: Ela prendeu a chuva.


Mas ninguém queria matá-la. E também o feiticeiro disse que não era por sua vontade.


Ficaram parados, como se esperassem. Todos os da aldeia, sentados debaixo de uma árvore. E o tempo também parou, e não passava.(...)


Então um jovem ofereceu-se. Eu vou, disse. Como se fosse igual matar a mulher, ou ser morto.(...)


Ele foi ter com ela à cabana e passou a noite com ela. Dormiu com ela e fez amor com ela. Passou-lhe as mãos no sexo, nos seios, nos cabelos, acariciou-a com ternura e depois apertou-a com os braços, como se fosse outra vez fazer amor com ela, apertou mais e mais, em torno do pescoço até sufocá-la. E depois veio cá fora da cabana, com a mulher morta nos braços e deitou-a na terra e todos caminharam em silêncio em volta. (...)


E então começou a chover, disse a mulher. Então começou a chover."




Teolinda Gersão, A Mulher que Prendeu a chuva, Sextante Editora




terça-feira, 15 de dezembro de 2009

O Tempo e as Coisas - Um olhar sobre o Tempo e a Fotografia


É áspero o tempo
como a palavra que nos agride em indiferença altiva.





Partem-se os vidros 
atirando-lhes um punhado de tempo aos reflexos.

domingo, 13 de dezembro de 2009

O meu ruído preferido - texto produzido na Oficina de Escrita Criativa 5 estrelas


O texto que transcrevo foi produzido na Oficina de Escrita Criativa 5 Estrelas por duas alunas do 10º ano e teve o objectivo de treinar a ironia e o suspense narrativo.Constitui uma amostra de como na escrita se pode desenvolver a criatividade. Este logotipo foi também criado por um aluno na nossa Oficina.

O meu ruído preferido
É como uma motosserra que está mesmo ao lado do meu ouvido, irritante, assustadora.

O estimulante ruído é sempre impertinente e inconveniente a caminho de casa, na estrada que tomo, depois da escola. Ao fim da tarde, lá vem aquele ruído debilitante, que até me faz arredar num salto, quase caindo no chão com um medo tremendo. Porém adoro aquele barulho ensurdecedor que arrepia os nervos como uma aranha a passear-se lenta à flor da pele, quando não me posso mover.
Que fascínio o raio do ruído me provoca… Qual ruído?!?
É, claro, o VRRRUM-VRRRUM de qualquer mota.



Deixo o endereço da oficina de escrita criativa onde este texto mora:


http://escritacriativa75estrelas.blogspot.com/

Os Cantores de Leitura - Maria Gabriela LLansol

Deixo um excerto que cristalizou uma tarde em que tivemos tempo para a leitura cantada:


Eu,
um de nós, talvez a geométrica flor, tenho experimentado
a sensação - que até agora desconhecia -, que estar
vivo e estar só é um sinal de alegria,
semelhante ao tombar da neve.

Se as espirais delicadas do contacto com os outros (cada
vez mais delicadas) se transformam em mais frágeis à medida
que a sensibilidade aos actos de linguagem - e aos
actos -
cresce,

esta face a face sem intermediários humanos com as coisas
pode fazê-las transparecer num espaço máximo.

É talvez uma fase nova da aprendizagem da leitura - será
preciso entrar nesse espaço em que dos flocos já caem le-
tras para usar finamente o privilégio de ensiná-las aos ani-

mais do Mosteiro, chamamento que aqui demos à sua
contemplação. Mosteiro e monstro - e os caminhos
transitáveis entre eles;
por fim, suponho que o nosso cântico de leitura dará nas-
cimento a híbridos.

Maria Gabriela LLansol, Os Cantores de Leitura, Assírio & Alvim,
p. 22

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Dicionário técnico-literário dos Bloom Books – 35

Doce Pat, roubei para ti... só para ti...





Sacrilégio – A evidência de frases sucessivas. A beleza onde não existe a mancha. A mancha onde não existe a breve beleza. A frase que pareça terminar.


Simultâneo – Nada acontece ímpar e um. Qualquer coisa, mesmo que grande, é apenas uma parte. Um elefante, por exemplo, ou um enorme edifício. Não há vidas separadas de outras, que vão do início ao fim como uma experiência química dentro de tubos de ensaio. Mostrar que a vida é simultânea é indispensável. Não existe a história de um homem: srº Jonas ou de uma família. Existem sim homens com outros homens e mulheres, coisas, vegetais, o cão da vizinha e a linguagem que existe no mundo e é dita por anónimos.
Histórias individuais são violência sobre a linguagem. A linguagem é um organismo que gosta de ângulos e percursos subitamente laterais. É mais sensata a história de um segundo que atravessa o mundo, que a história de um homem que se apaixonou por uma mulher e depois veio outro e. A linguagem é mais lateral que longitudinal. Não é imóvel; move-se imobilizando o tempo, o que é diferente.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Noventa anos após o paradoxo de Valéry

Retirei este excerto do sítio: http://www.pnetliteratura.pt.
Trata-se de um texto que Luís Carmelo publicou,  muito interessante e sobre uma das obras de Valéry (sobre o qual pouco ou nada sei).
Espero que te entusiasme... muitos beijos.


O rosto da Europa é a figuração feliz de um perfil que representa a imagem da Eurásia a despedir-se do mundo, ou seja: do mar e das lendas que ele prolonga. Este olhar inebriado sobre o grande gravitas é o território preferido pelos maiores poetas portugueses, Camões e Pessoa. Aliás, a expressão "rosto da europa", na língua portuguesa, pertence a este último.
Neste meio diagrama meio metáfora, utilizado por Pessoa na Mensagem, a Europa surge como jazendo sobre "os cotovelos", o mais recuado sendo a Itália e o mais avançado a Inglaterra, de onde a mão sustenta o grande rosto (que fita com olhar esfíngico e fatal o oceano, o mundo, o infinito). Para o poeta, "Este rosto que fita é Portugal".

É também na Mensagem que Pessoa identifica o mito como esse “nada que é tudo”, com se fosse “o corpo morto de Deus/vivo e desnudo” que “aportou” em Portugal; e conclui, seguidamente: “As Nações todas são mistério/ Cada uma é todo o mundo a sós”.

Deste modo, o rosto de Pessoa converte-se num mundo inteiro onde terá aportado (e aportar significa encontrar no porto, no cabo, no rosto mais extremo) uma missão, cuja origem se situa no paradigmático Ulisses e no herói fundador Viriato, propagando-se, depois, naquilo que Deus "fadou", já que "o homem e a hora são um só", ou seja, já que o homem providencial e mitológico que espreita do rosto europeu se confunde com o ‘telos’, com o eschaton, com o limite último (o "teu ser é como aquela fria madrugada/E é já o ir a haver o dia").
Estamos aqui numa espécie de limbo entre a metafórica da neblina do cabo e o dia pleno da vida (metaforizando o prenúncio de um qualquer ‘ser universal’).

É precisamente este limbo que Paul Valéry em, La Crise de l’esprit (escrito em 1919, vinte anos antes da Mensagem de Pessoa), designa por paradoxo. Diz o autor: “A minha impressão pessoal sobre a França” (...) “é a de crermos, de nos sentirmos universais - quero dizer: homens do universo... Observem o paradoxo: ter por especialidade o sentido do universal”. No seu ensaio, Valéry também encara a Europa - no seu todo – como um rosto, um cabo, uma cabeça que tem olhos e que vigia o horizonte: “um apêndice ocidental da Ásia que olha naturalmente para Oeste. A sul orla um mar ilustre cujo papel foi maravilhosamente eficaz na elaboração” de um propósito, ou de um projecto.
Sobre a tese de Valéry, Derrida escreveu em O outro cabo: "A Europa reconheceu-se sempre a si mesma como um cabo", fosse a ponta extrema do continente, "a oeste e ao sul (o limite das terras, a ponta avançada da finisterra, a Europa do Atlântico ou das orlas grego-latinas-ibéricas do Mediterrâneo)", enquanto ponto de partida para a descoberta e para invenção; fosse o próprio "centro desta língua em forma de cabo, a Europa do interior, apertada, isto é, comprimida ao longo de um eixo greco-germânico, no centro do centro do cabo".
A Europa confundiu a sua imagem, continua o autor, com a "ponta dianteira de um falo" que comandou o mundo, que erigiu uma obra e a espalhou sob a forma da cultura. Contudo, quer face ao cumprimento da empresa mítica e – portanto – impossível de Pessoa, quer face ao ter sido da múltipla empresa europeia no mundo, é necessário ter em conta que, hoje em dia, a cultura do rosto se tornou subitamente numa cultura do rizoma e de imprevisto labirinto.

O limite do rosto já não se exercita e desafia no contacto distante com o outro, fosse ele o Preste João ou o Négus da Abissínia; o rosto da actualidade já está em todo o lado, cindindo com ele mesmo no quadro de um globário instantâneo. Nesse sentido, Derrida, na sua obra sobre o rosto de Valéry, recorda-nos e sugere-nos um novo étimo para o dever. Trata-se do "dever de responder ao apelo da memória europeia, de lembrar o que se prometeu em nome da Europa, de re-identificar a Europa" como "dever sem denominador comum com tudo o que geralmente se entende sob este nome". É um dever que exige que outros cabos e rostos se abram dentro do mais antigo rosto actuante do mundo.

domingo, 6 de dezembro de 2009

Dicionário de Gonçalo M. Tavares


Posição – Um texto não deverá ter posições, mas sim esconderijos não detectáveis. A posição é uma visibilidade evidente e um texto literário deverá ter apenas indícios de visibilidades. A única evidência será a sua invisibilidade.Mas claro que a invisibilidade total torna impossível o contacto. Diremos que o que se recomenda são invisibilidades intermédias. Ou: visibilidade intermédia. O que deverá permanecer escondido, sem posição visível? O mais importante. O que deverá ser a parte visível? Aquilo que leve o leitor a fazer mais coisas. O texto que trabalha mais é o texto que faz trabalhar mais.E uma personagem não deverá ter uma posição fixa. Se o tiver não é uma pessoa, mas um objecto. Uma personagem não tem posições, mas in-dis-posições: comportamentos em modificação permanente. Uma indis-posição é um momento que não sabemos como terminará. E uma posição nem sequer é um momento. É um não-momento. Um não-acontecimento. 
Na literatura como na guerra: a posição do texto deverá ser um mistério, algo que requer investigação.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Sobre Boris Pasternak - Gonçalo M. Tavares


Foto Uma árvore não é assim tão branca (H.P. Ahnit Nof)



Hoje a Anabela entrou pela minha casa dentro em formato de jornal. Transformou a sua ternura e a beleza do seu pestanejar em cada edição do JL que quinzenalmente recebo, tão feliz, no espaço mais íntimo que tenho.Edito o texto da biblioteca dedicado nesta quinzena ao poeta russo e autor do imortal "Dr. Jivago", que achei mais uma manifestação da inteligência e sensibilidade invulgares de M. Tavares. Obrigada Anabela, pela felicidade que me trazes a toda a hora.

Sobre Boris Pasternak

De um lado, a neve. Do outro, a neve.
Podes partir para um lado ou para outro.
Encontrarás o mesmo.
Se ficares no mesmo sítio, só esperando alguns meses deixarás de ter neve. Se te mexeres, só esperando alguns meses deixarás de ter neve.
Que estranho, pensa ele.
Andando ou ficando parado: tens de esperar.


(Que lindo caminho que Gonçalo M. Tavares constrói para comunicar coisas tão simples como esta: há cicunstâncias em que o único remédio é aguardarmos por um dia melhor...A neve como elemento constrangedor da resolução humana e a perplexidade criada à volta do personagem, que todos nós somos, foram opções estupendas do autor para conseguir um texto, aparentemente redundante, porém essencialmente fascinante.Fico pasmada com o facto das frases serem reproduzidas pelo processo de repetição, ainda que partindo de expressões instauradores de contraste, de forma a causarem a mesma sensação de irresolução, de impotência que um nevão produz naquele que quer decidir-se pelo caminho melhor,quando todo ele é invencível. Boris Pasternak teve na realidade que esperar para ter reconhecimento no seu próprio país pois a obra Dr Jivago foi proibida na URSS por mostrar como se vivia o comunismo. O autor não pode, inclusive, receber o prémio nobel da literatura por razões políticas criadas pelo seu próprio país. Neve e mais neve que até se derreter - em 1989 com a queda do muro - o levou a ver passar como uma paisagem quase toda a sua vida.)


Deixo ainda um poema sublime de Boris Pasternak:


Também a vida é só um instante,
apenas um dissolver-se,
de nós mesmos nos outros,
Como um dom que se faz.

Apenas um rumor de bodas que,debaixo,
irrompe pelas janelas,
nada além de um canto, um sonho,
uma pomba azul-cinzentada.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

75 anos de Mensagem



Doce Pat, o Paulo sugeriu-nos o sítio que deixo de seguida. O Gonçalo M. tavares escreve lá regularmente. Aproveitei a navegação para roubar esta notícia para ti...
http://www.pnetliteratura.pt


Passam hoje, dia 1 de Dezembro, 75 anos sobre a publicação da primeira edição de Mensagem de Fernando Pessoa. Para assinalar a efeméride, a Biblioteca Nacional de Portugal (BNP), a Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas e a Câmara Municipal de Lisboa promovem uma sessão comemorativa no anfiteatro da BNP com a presença de Eduardo Lourenço, Manuel Alegre e Vasco Graça Moura.
Ler tudo aqui:http://www.bnportugal.pt

A minha irmã é uma embarcação em descoberta

A minha irmã é uma embarcação em descoberta. As suas mãos são brancas e esvoaçam cada vez que fala. Dedos de nuvens vogam sobre a sua voz segura e oscilante. Apontam a rota do sentido absoluto das coisas. Os meus olhos acompanham essa levitação e aí descobrem a explicação do universo. Aí encontram os seus órgãos vitais suspensos lado a lado com os cometas, com as estrelas, com os planetas. E é tudo a mesma pele que brilha nessa escuridade. Nesse buraco fundo chamado medo. É tudo a mesma força transtemporal.
Por dentro da viagem que domina, encontro o instante em que habitei no seu ventre. Não me perguntem como foi isto possível… Sinto-o no espaço da prega rente ao corpo do seu vestido de lã. Num prenúncio do seu umbigo encoberto, que me surge repentinamente, como um ouvido. Acontece-me um umbigo-búzio. É de lá que ouço os meus segredos em maré cheia. Encontro o meu ser primitivamente balbuciante, ainda sob flutuações sem quaisquer palavras. O meu princípio.
Fiz-me da língua frenesi que ela fala. Desse amor que se desprende dos seus lábios, do avesso das suas pálpebras fechadas, vindo de um âmago infinitamente belo, como nunca se viu.

Acerca de Estar Doente - Virginia Woolf

Virginia Woolf, Vanessa Bell

Passo a transcrever uma das frases de maior fôlego de toda a literatura de que tenho memória, carregada de complexidade e genialidade, que aparece no início do ensaio de Virginia Woolf - esta escritora que tanto admiro e nunca me canso de ler- intitulado "Acerca de estar doente". Como vejo verdade no que ela diz e na sua hipocondria, semelhante em tudo à minha...
Para além disto adoro frases assim tão longas e tão perfeitamente compreensíveis (esta tem 166 palavras!) que parecem mesmo auto-representarem-se em forma de diagrama. Gertrude Stein (poeta e feminista genial!) escreveu, um dia: " Não conheço realmente nada mais excitante do que fazer diagramas de frases." Escusado será dizer que quando encontrei este parecer, me rendi aos encantos da frase longa e elegante em que podemos avaliar cada palavra à luz da secreta modificação que cada frase incute no nome, no prazer da descoberta dos antecedentes concretos de cada uma das suas inúmeras orações... o desenho do mapa de um tesouro.

"Considerando como a doença é comum, como é tremenda a mudança espiritual que traz, como é espantoso quando as luzes da saúde se apagam, as regiões por descobrir que se revelam, que extensões desoladas e desertos da alma uma ligeira gripe nos faz ver, que precipícios e relvados pontilhados de flores brilhantes uma pequena subida de temperatura expõe, que antigos e rijos carvalhos são desenraizados em nós pela acção da doença, como nos afundamos no poço da morte e sentimos as águas da aniquilação fecharem-se acima da cabeça e acordamos julgando estar na presença de anjos e harpas quando tiramos um dente, vimos à superfície na cadeira do dentista e confundimos o seu «bocheche... bocheche» com saudação da divindade debruçada no chão do céu para nos dar as boas-vindas - quando pensamos nisto, como tantas vezes somos forçados a pensar, torna-se realmente estranho que a doença não tenha arranjado um lugar, juntamente com o amor, as batalhas e o ciúme, por entre os principais temas da literatura."



Virginia Woolf

Devia Morrer-se de Outra Maneira - José Ferreira Gomes

Devia morrer-se de outra maneira. Transformarmo-nos em fumo, por exemplo. Ou em nuvens. Quando nos sentíssemos cansados, fartos do mesmo sol a fingir de novo todas as manhãs, convocaríamos os amigos mais íntimos com um cartão de convite para o ritual do Grande Desfazer: "Fulano de tal comunica a V. Exa. que vai transformar-se em nuvem hoje às 9 horas. Traje de passeio". E então, solenemente, com passos de reter tempo, fatos escuros, olhos de lua de cerimónia, viríamos todos assistir à despedida. Apertos de mãos quentes. Ternura de calafrio. "Adeus! Adeus!" E, pouco a pouco, devagarinho, sem sofrimento, numa lassidão de arrancar raízes... (primeiro, os olhos... em seguida, os lábios... depois os cabelos... ) a carne, em vez de apodrecer, começaria a transfigurar-se em fumo... tão leve... tão subtil... tão pólen... como aquela nuvem além (vêem?) — nesta tarde de outono ainda tocada por um vento de lábios azuis...
(Poesia III)
Subscrevo este desejo de metamorfose da morte, como se tivesse sido eu própria a pedi-lo, mesmo que com outras palavras.

domingo, 29 de novembro de 2009

Tanto de meu estado me acho incerto - Camões



Tanto de meu estado me acho incerto,
Que em vivo ardor tremendo estou de frio;
Sem causa, justamente choro e rio,
O mundo todo abarco e nada aperto.


É tudo quanto sinto, um desconcerto;
Da alma um fogo me sai, da vista um rio;
Agora espero, agora desconfio,
Agora desvario, agora acerto.


Estando em terra, chego ao Céu voando;
Numa hora acho mil anos, e é jeito
Que em mil anos não posso achar uma hora.


Se me pergunta alguém por que assim ando,
Respondo que não sei; porém suspeito
Que só porque vos vi, minha Senhora.


Hoje andei particularmente feliz ao ler um "sem número" de vezes este poema - sem dúvida um dos meus predilectos de Camões. Todos os anos, quando chega o momento de dar a conhecer a lírica de Camões aos alunos, é uma festa para o meu espírito. São semanas felizes, trabalho sem trabalho, feito só de prazer de leitura, de leitura de prazer. E penso sempre ao reler este poema (e tantos outros): Que novidade poderá ser escrita pelos novos poetas perante um amor assim dito, nestas palavras desmesuradas de tensão e, simultaneamente, contidas em sílabas certamente contadas pelos dedos? Palavras nuas, palavras sóbrias para um amor, que como verdadeiro amor, não cabe no peito de quem o sente.

Apaixona-me a forma servidora (tal como na poesia trovadoresca) de como o poeta se refere distanciada e respeitosamente à mulher - "minha Senhora" - e ao mesmo tempo se vincula no humanismo renascentista de que afirma o seu sentir, tenso e exacerbadamente inquietado pela dúvida do "sentir-se enganado pelo seu sentir"... Conflui ainda no poema um modo maneirista de viver o amor, pelo exagero da hiperbole e do paradoxo. E é simplesmente incrível como um sentimento descrito em pleno século XVI é a mesma matéria, a mesma língua, a mesma expressão final do século XXI. Hoje, durmo mais apaixonada.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Arte Digital

- O Livro da Natureza -

É um livro a natureza - diz o fotógrafo neste olhar que imprime e tranforma o real a seu bel-prazer. E as cores chamam com força alguém que as distinga e lhes entenda a textura, criando na paisagem uma e outra letras que se pareçam com um gesto, um embarque, uma curva mais estreita onde caiba uma emoção humana.


domingo, 22 de novembro de 2009

Discurso Directo de David Mourão-Ferreira



Perante a questão " Que dez romances levaria para a Lua?", o teu querido David Mourão-Ferreira responde o seguinte, provando que é um leitor de bom gosto: «... imaginando-me na Lua por tempo indeterminado, creio que seleccionaria dez romances que constituíssem dez imagens diversas, no plano da ficção, daquela realidade cultural e afectiva - ou afectiva e cultural - em que nasci, em que me criei, e a que me sinto profundamente ligado. se é preciso dar-lhe um nome, chamemos-lhe : Europa. Seriam, portanto dez romances "europeus"; seriam talvez estes: As Metamorfoses, de Apuleio; A Demanda do Santo Graal; D. Quixote, de Cervantes; Les Liaisons Dangereuses de Laclos; Guerra e Paz de Tolstoi; Os Maias de Eça de Queirós; À la Recherche du Temps Perdu de Proust; Doctor Faustus de Thomas Mann; The Waves de Virginia Woolf (ou Ulisses de James Joyce ?); Alexandrian Quartet de Lawrence Durrell.

É claro que nem todos estes romances foram eleitos pelas mesmas razões. (...)

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

TETRO

O último filme de Francis Ford Coppola (que esteve recentemente entre nós no Estoril Film Festival) estreia hoje, 19 de Novembro. Rodado em Buenos Aires, Tetro conta a história de reencontro, numa família de emigrantes italiana.


Para saber mais sobre a carreira de Coppola:


http://pt.wikipedia.org/wiki/Francis_Ford_Coppola



O trailer de Tetro:



quarta-feira, 18 de novembro de 2009

CINANIMA


Doce Pat, escrevo-te ao sabor da agradabilíssima música que colocaste no post anterior! Que surpresa tão saborosa... verdadeiramente suculenta...

Aproveito este relax para te dizer que (talvez saibas já, mas deixa lá, faz de conta que é novidade....) acabou no domingo, dia 15 de Novembro, mais um festival de animação que decorreu desde o dia 9, em Espinho... é verdade... no teu belo recando, bem junto ao mar. Segundo os críticos, trata-se do maior festival de cinema de animação português e um dos mais destacados a nível internacional e esta foi já a 33ªedição!

Não sei se aprecias o género, mas a mim agrada-me imenso a animação pois neste tipo de cinema conseguimos ver o quão ilimitado é o potencial humano ! A imaginação, de facto, surpreende-nos constantemente e o ser humano é uma caixinha de surpresas. Repara bem na qualidade dos filmes que te proponho e que passaram no certame. Tive a preocupação de escolher filmes também em português pois a elevada qualidade dos mesmos não fica nada a dever aos estrangeiros! Somos bons a fazer cinema, apesar dos poucos meios e fracos ou raros incentivos. Porque insiste Portugal em monopolizar os subsídios nos produtores de sempre e não dá oportunidade de se afirmarem no mercado novos talentos?


Espero que gostes da selecção e junto ainda o sítio oficial do festival...
E porque sonhar é bom, VOOS ILIMITADOS, AMIGUINHA


De Portugal:


Mi vida en tus manos (de Nuno Beato): sobre a tourada e ganhou o Prémio António Gaio




Pássaros (de Filipe Abranches): ganhou o Grande Prémio Tobis





Do Estangeiro

The Spine (de Chris Landreth): ganhou o Grande Prémio Cinanima 2009

URS (de Moritz Mayerhofer): ganhou o Prémio Melhor Banda Sonora Original

In attic: who has a birthday (de Jiri Barta): de acordo com a crítica, uma animação fabulosa



Goat Stor- the old Prague Legends (de Jan Tománek): a primeira longa metragem 3D da República Checa e que conta a história do homem que fez o relógio mais famoso da Europa




The tale of the soldier Fedot, the Darkling fellow (da russa Ludmila Steblyanko): a crítica refere tratar-se de uma história de encantar em verso e ainda ao estilo soviético


Boogie, el acetoso (do argentino Gustavo Cova): segundo a crítica trata-se de uma obra excessivamente violenta e inspirada numa BD proibida na Argentina durante a ditadura





Fonte: Jornal de Letras de 4-17 de Novembro 2009

terça-feira, 17 de novembro de 2009

ST. VINCENT

Ana Bela Ana,

espero que gostes muito desta música de St Vincent e dos National que para mim é soberba. Ambas as vozes são distintas e belas como os cantores. Conseguem contar histórias e despertar emoções que fazem de nós outros. É um lance de dados novo, um sobrevoar sobre tudo o que não interessa nesta rotina irremediavelmente absurda do trabalho. E viva a música e o sonho que traz. Bjs amiga...

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Parabéns José Saramago


José de Sousa Saramago (Azinhaga, 16 de Novembro de 1922) é um escritor, roteirista, jornalista, dramaturgo e poeta português.
Foi galardoado com o Nobel de Literatura de 1998. Também ganhou o Prémio Camões, o mais importante prémio literário da língua portuguesa. Saramago é considerado o responsável pelo efectivo reconhecimento internacional da prosa em língua portuguesa.
O seu livro Ensaio Sobre a Cegueira (Blindness, em inglês) foi adaptado para o cinema e lançado em 2008, produzido no Japão, Brasil e Canadá, dirigido por Fernando Meirelles (realizador de O Fiel Jardineiro e Cidade de Deus).
Nasceu na província do Ribatejo, no dia 16 de Novembro, embora o registo oficial apresente o dia 18 como o do seu nascimento. Saramago, conhecido pelo seu ateísmo e iberismo, é membro do Partido Comunista Português e foi director do Diário de Notícias. Juntamente com Luiz Francisco Rebello, Armindo Magalhães, Manuel da Fonseca e Urbano Tavares Rodrigues foi, em 1992, um dos fundadores da Frente Nacional para a Defesa da Cultura (FNDC). Casado com a espanhola Pilar del Río, Saramago vive actualmente em Lanzarote, nas Ilhas Canárias.
Wikipédia

sábado, 14 de novembro de 2009

Ainda Ondjaki

Doce amiguinha, e nao e´ que estou a gostar de Ondjaki? Voltei a pegar naquele livro de poesia que custou uma pechincha... e estou a entende-lo de outra forma... Ha´ coisas inexplicaveis... Nao fosse o texto de que te falava no post anterior e dificilmente voltaria a pegar neste livro (Ha Prendisajens com o xao). Por agora vou deixar-te com um texto deste autor tao criativo e que colocou logo nas primeiras paginas...


«aprendizagem e´ a palavra que, ela sim, ramifica e desramifica uma pessoa; ela enlaça, abraça, mastiga um alguem cuspindo-o a si mesmo, tudo para novas geneses pessoais. estas palavras sao, elas sim, para pessoas que se autorizam constantes aprendicismos. modos. maneiras. viveres. ate sangues. aprendizar nao e´ repessoar-se?»

Ondjaki



Doce Pat, nao sei se leste o texto que Ondjaki escreveu na ultima ediçao do JL. Caso nao o tenhas feito sugiro-te que o faças pois e´´ um texto belisimo de Outono: "Carta de Bloomington Indiana". Fiquei maravilhada com a descriçao que este autor (tao novo!) faz dos tons e das sensaçoes desta epoca tao cativante. Uma verdadeira alma poetica... E as fotos (tiradas pelo proprio) sao magnificas... repara bem nesta ultima: um chao repleto de folhas lindas...
E nesta pesquisa sobre o autor acabei por encontrar o seu sitio na net http://www.kazukuta.com/ondjaki/ondjaki.html
e que e´´ um adepto do twitter
http://twitter.com/ondjaki
Coloquei no nosso cantinho imaginarium o endereço para mais facilmente sabermos por onde vagueia! Muitos sonhos...

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Parábolas e Fragmentos - Franz Kafka

Mais uma vez me apresso por "postar" um pequeno livrinho que dentro de dois dias tem forçosamente que ser entregue à biblioteca onde reside a maior parte do seu tempo de vida.

Um autor de fascínio que, neste livrinho me torna a espantar com tantas ideias em forma de apontamentos e impressões descomprometidas ao nível temático, alguns deles incluindo desenhos de riscos primários e elucidativos (à semelhança do que Gonçalo M. Tavares faz com os senhores do bairro). Todos estes fragmentos revelam a total solidão de Kafka e sua singularidade de pensamento. As "parábolas" merecem um estudo prefaciado por João Barrento mostrando-nos a propósito delas como «...atravessando as palavras há restos de luz...». Um livro especial, que nos deixa lê-lo aos pedaços, possuí-lo de forma fragmentada, sem por isso desviar-se dos sentidos primeiros dos textos. Transcrevo dois deles, que como os restantes fragmentos, são estrutural e tematicamente primorosos:


1.
«Ah», disse o rato, «o mundo cada dia fica mais apertado. A princípio era tão grande que até me metia medo, depois continuei a andar e ao longe já se viam os muros à esquerda e à direita, e agora - e não passou assim tanto tempo desde que eu comecei a andar - estou no quarto que me foi destinado e naquele canto está já a armadilha em que vou cair.» «Tens de inverter o sentido de marcha - disse o gato, e comeu-o».

2. A Aldeia Vizinha

O meu avô costumava dizer: "A vida é espantosamente curta. Agora, ao olhar para trás, ela concentra-se em mim de tal maneira que, por exemplo, não consigo compreender como é que um rapaz novo se decide a ir a cavalo até à aldeia vizinha sem recear - isto, para não falar já de acasos infelizes - que o próprio tempo de uma vida normal e feliz nem de longe chegue para uma tal cavalgada.»
3. O Exame
«Então, em que ficamos?», disse o cavalheiro, olhando-me com um sorriso e ajeitando a gravata. Consegui aguentar o olhar, mas depois voltei-me, de livre vontade, um pouco para o lado e olhei para o tampo da mesa com olhos cada vez mais fixos, como se aí se abrisse e afundasse uma caverna que me atraía o olhar. E fui dizendo: "O senhor que examinar-me, mas ainda não me apresentou provas que lhe confiram esse direito". Desta feita, ele riu alto. "O meu direito é a minha existência, o meu direito é o eu estar aqui sentado, o meu direito é a minha pergunta, o meu direito é o que me advém de o senhor me entender". "Está bem", respondi eu, "partamos então do princípio de que é assim". "Então vou examiná-lo", disse ele; "faça o favor de puxar a poltrona um pouco mais para trás, que me sinto apertado. E peço-lhe também que não olhe para o lado, mas bem nos meus olhos. Talvez seja mais importante para mim vê-lo do que ouvir as suas respostas". Correspondi ao seu pedido, e depois ele começou: "Quem sou eu?". "O meu examinador", respondi. "Claro", disse ele. "E que mais?". "O meu tio", disse eu. "Seu tio!", exclamou ele. "Mas que resposta mais absurda!". "Meu tio", respondi com ênfase. "Nem mais".
4.
«Apenas uma palavra. Uma súplica apenas. Apenas uma aragem. Apenas uma prova de que ainda estás vivo e à espera. Não, nada de súplicas, apenas um respirar, respirar não, apenas estar pronto, estar pronto não, apenas um pensamento, um pensamento não, apenas o sono tranquilo.»


5.
«Desvio-me do caminho.O verdadeiro caminho passa por uma corda que não está esticada a grande altura, mas muito próxima do chão. Parece estar ali para nos fazer tropeçar, e não para que se passe por cima dela.»
6.
«O que eu toco desfaz-se.»

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Anos de Cão - Günter Grass

A propósito dos duros anos de repressão de que o muro de Berlim foi prova, lembrei-me das narrativas de Günter Grass, autor que muito admiro, e do espelho fidelíssimo que elas constituem da História que os Alemães desenharam, cheia de caminhos tortuosamente absurdos e espectaculares por todo o lado negro do ser humano que apresentam. Fica a sugestão de "Anos de Cão":
"Numa pequena aldeia alemã, o pequeno Walter Mattern e o seu amigo de infância, o meio-judeu Eddi Amsel, são o fio condutor para que um certo narrador que se assina Brauxel, Haksel ou Castrop-Rauxel, conforme o momento componha o painel da Alemanha entre a Primeira Guerra Mundial e os anos da Guerra Fria. Eddi Amsel começa a ganhar a vida fazendo e vendendo espantalhos, e, com isso, acaba transformando-se numa grande figura do processo industrial alemão. Senta, filhote do cão Perkun pertencente a Walter Mattern será pai de um cão pastor nobre, presenteado a Hitler ? motivo de orgulho para Walter, a quem o nazismo separa de Eddi. Com imagens fascinantes, uma narrativa forte e enorme plasticidade, Grass constrói um romance envolvente em que os personagens recriam o clima tenso da Alemanha do Führer. Anos de cão, publicado originalmente em 1963, integra a trilogia que o autor dedicou a Dantzig, a sua cidade natal, e da qual também fazem parte O tambor (1959) e Gato e rato (1961). Com Anos de cão, Günter Grass, activista político, ex-soldado da Luftwaffe e artista plástico, confirma o seu talento para a verdadeira instituição alemã que é o conto de fadas. Fábula e política são os trilhos de uma história comovente em direcção à liberdade. "
Sobre o próprio Günter Grass (que aliás, quando se deu a queda do muro se mostrou reticente quanto à reunificação da Alemanha, facto que me demonstra que esse muro de pedra se tinha alastrado ao interior das pessoas, circulando, também, dentro delas, configurando a desconfiança com muitos metros a mais de altura do que o próprio muro de Berlim...esse muro ainda hoje não foi totalmente derrubado.):
Günter Grass (1927 - ) Prémio Nobel de Literatura em 1999, Günter Wilhelm Grass nasceu a 16 de outubro de 1927 em Danzig, na Alemanha, hoje cidade polonesa (seus pais eram alemães de origem polonesa). Durante a Segunda Guerra Mundial, Grass serviu na Força Aérea alemã, e terminou como prisioneiro do exército americano. Foi trabalhador rural e de minas, e depois foi estudar arte em Düsseldorf e Berlim. Entre 1956 e 1959 manteve-se como escultor, pintor e escritor em Paris e Berlim. Seu primeiro romance, ´O tambor´ (1959), foi também seu primeiro sucesso, tendo sido adaptado ao cinema em 1979. Seguiram-se ´Gato e rato´ e ´Anos de cão´, que completam a chamada ´trilogia de Danzig´. Na década de 1960 associou-se ao partido social-democrata, e advogou pela participação política de artistas e intelectuais. Como artista gráfico, Grass costuma desenhar as capas de seus livros e fazer exposições de aquarelas. Sua ficção mistura admiravelmente a fantasia com o realismo, com elementos do macabro e simbolismo que muitas vezes explora o tema da culpa coletiva.
Marcelo Cid

9 -11-1989- Recordando a queda do Muro


A Alemanha festeja hoje o vigesimo aniversario da queda do muro de Berlim e eu nao podia deixar passar este dia sem colocar um post dedicado a este tema tao contemporaneo para nos! Felizmente que a humanidade se livrou deste muro vergonhoso (ergo palavras de elogio aos milhares de alemaes que se insurgiram e que nunca desistiram de lutar pela liberdade).
Lembrei-me por isso, de colocar uma musica e um trailer de um filme em que Berlim aparece como cenario ou personagem principal (depende dos pontos de vista!)... A pelicula e´ Asas do Desejo, de Wim Wenders, sobre a qual ja tanto falamos doce Pat, e a musica e´ dos Radiohead. Embora o filme nao trate do muro, o cenario centra-se numa capital bastante devastada, acabada de entrar num pos guerra traumatico e o muro (que aparece debilmente) acentua esse drama. Achei interessante revermos o sonho e os anseios de um povo verdadeiramente humilhado... o filme e´´ de rara beleza, muito profundo no sentido filosofico e, na minha opiniao, o que melhor retrata a capital alema no contexto da historia do seculo XX.
Para mim, e sem duvida, dos mais belos filmes de sempre...


domingo, 8 de novembro de 2009

Emily Jane White

Ana Bela Ana,

Obrigada pelo post anterior que me dedicas.

Em resposta, trago-te uma música muito bonita nesta noite fria em que a nossa amizade parece suspensa em algumas notas musicais e numa ou noutra folha da Tília que me espreita na portada da frente, cada vez que o vento lhe concede balanço. A música de que gosto mostra-me palavras e inúmeras possibilidades de as alcançar...como num sonho.

Sara Tavares, uma vozinha magnifica

Pat, doce Pat, apetece-me oferecer-te a harmonia dos sons. Os sons elevam a nossa alma tambem e fazem-nos voar! Hoje escolhi a Sara Tavares, porque procurava a voz de uma mulher.
Achei belas as letras destas musicas e decidi dedicar um post a esta nossa querida cantora.
As musicas sao so´ para ti! Espero que as aprecies. Um optimo Domingo...

PONTO DE LUZ

Escutando no vento
Tua voz secreta
Que me sopra por dentro
Deixe-me ser só ser
No teu colo eu me entrego
Para que me nutras
E me envolvas
Deixa-me ser só ser

Um ponto de luz
Que me seduz
Aceso na alma
Um ponto de luz
Que me conduz
Aceso na alma

Por trás dessa nuvem
Ardendo no céu
O fogo do sol rai
Eternamente quente
Liberta-me a mente
Liberta-me a mente

Um ponto de luz
Que me seduz
Aceso na alma
Um ponto de luz
Que me seduz
SAIU PARA A RUA

Rui Veloso e Sara Tavares
Composição: Carlos Tê / Rui Veloso

Saiu decidida para a rua
Com a carteira castanha
E o saia-casaco escuro
Tantos anos tantas noites
Sem sequer uma loucura

Ele saiu sem dizer nada
Talvez fosse ao teatro chino
Vai regressar de madrugada
E acordá-la cheio de vinho

Tantos anos tantas noites
Sem nunca sentir a paixão
Foram já as bodas de prata
Comemoradas em solidão

Pôs um pouco de baton
E um leve toque de pintura
Tirou do cabelo o travessão
E devolveu ao rosto a candura

Saiu para a rua insegura
Vageou sem direcção
Sorriu a um homem com tremura
E sentiu escorrer do coração
A humidade quente da loucura

sábado, 7 de novembro de 2009

Uma Data em Cada Mão - Livro de Horas I de Maria Gabriela LLansol


Há textos que mexem comigo como algumas pessoas:


"11 de Junho de 1972


O que me desespera é que eu própria não seja um codicilo, um caderno, um livro, onde tudo o que acontece possa, a todo o momento, ser escrito."



" 30 de Dezembro de 1972, Maredret


Os fantasmas para mim são os discursos; os fantasmas para Grandville são homens com cabeças de animais, etc., ou seja, representação de coisas. Para mim, a representação faz-se ao nível da palavra. Todo o passeio da homilia primeira é um fantasma."


Notas a este texto: Maredret é uma abadia beneditina belga, perto de Namur, onde Maria Gabriela LLansol fica algumas vezes e onde lê uma biografia de S. João da Cruz e escreve parte d' O Livro das Comunidades.


Grandville é o pseudónimo do caricaturista francês Jean Ignace Isidore Gérard (1803-1847) . As suas "Metamorfoses" influenciaram muito a caricatura fantástica.


"homilia primeira" é uma referência à «Primeira homilia», do Lugar 4 d' "O Livro das Comunidades"


" s.d. [1974?]


Pôr os livros em cima da mesa, empilhados, é a sobreposição de paisagens.

A importância que dou ao Livro, à escrita que faz o Livro, é a importância que dou à Revelação contida no Livro."


*


"Os pés, os detalhes dos pés que são uma geografia.
Cristina escreve cartas e deita-as, insatisfeita, para o dia.
Põe a mão sobre ela e faz amor com ela.
A nuvem sobre Portugal _____
O jardim interior com um quarto pleno de tons de azul.
Atenaia
Situa-se fisicamente ao nível do coração.
A água nova é o sangue.
O pénis penetra até ao coração. Quando o pénis chega ao cora-
ção, vem o sopro.
A nuvem precisa do vento para chover.
Cabeça e ventre translúcidos, parte dos peitos - terra. O cora-
ção da mulher é situado na terra,
lilás
preto
azul.


Fechou os olhos sobre poeira ligeiramente cansada."

O Muro do Fundamentalismo - Crónica Feminina por Inês Pedrosa

Não posso deixar de publicar esta crónica deliciosa de Inês Pedrosa, que li já há algum tempo, a propósito do fundamentalismo e hipocrisia de muitos dos intelectuais (ou em muitos casos como ela própria refere, e muito bem, a meu ver, pseudo-intelectuais) relativamente à reacção ao novo romance "Caim", verdadeiro agitador de consciências, como, de resto, qualquer obra de arte tem o direito de ser.
Na rádio, antes de ter acontecido em Penafiel a "Escritaria" onde foi lançado este livro, ouvi Pilar del Rio dizer, com força de sabedoria, mais ou menos isto: " A arte verdadeira é mesmo assim... basta lembrar da reacção à brutal pintura do tecto da Capela Sistina no seu tempo."
O que mais me escandaliza cruza-se com o que Inês Pedrosa nos diz, logo no início da crónica. Anda para aí muita gente que não quer que se questione a verdade religiosa, muito menos na literatura de ficção... Há muitos autores que o fazem tanto em texto ensaístico (e são grandes nomes!) como na Filosofia (Nietszche: "Deus está morto") ou na Poesia (a descrença em Deus foi decretada muito cedo pelos poetas modernistas e pós-modernistas, todos eles geniais - tal como Saramago - na Literatura Mundial. É o caso do Pessoa (que tão bem o faz com Caeiro, considerado por Ricardo Reis o maior poeta do século vinte, que afirma que ele é “o mais completo subversor de todas as sensibilidades diversamente conhecidas, e de todas as fórmulas intelectuais variamente aceites”) ou o idolatrado Roberto Juarroz em quase todos os seus poemas ("Só deus não me dói hoje./Será porque hoje ele não existe?") ou de tantos e tantos outros artistas que ao brotarem arte, fazem uso despreconceituado, com capacidade crítica, de elementos culturais e civilizacionais de qualquer domínio, tornando-o tangível ou, pelo menos, mais compreensível pela capacidade de questionamento a que o sujeita, pela subversão que lhe impõe para ver tudo num novo espelho...
Inteira igorância daqueles que se dizem intelectuais e "pessoas da cultura" ( que no fundo reagem como aqueles que não sabem muito bem do que o livro trata, e ignoram, em simultâneo, qualquer um dos mitos bíblicos que tanto defendem, nem mesmo sabendo a diferença existente entre o Antigo e o Novo Testamento) defenderem única e exclusivamente a sua faceta religiosa com um fundamentalismo lastimável quando se fala em "Caim" (ou "José Saramago", que para eles é a mesma pouca vergonha!) arremessando a ideia de que ele não atinge o significado dos textos bíblicos... lendo-os só na sua superfície... Desculpem-me a invectiva mas tenho que a verbalizar: "Seus grandes imb... acham que alguém que escreveu "O Ano da Morte de Ricardo Reis, A Jangada de Pedra, Memorial do Convento, Ensaio sobre a Cegueira, O Homem Duplicado, Todos os nomes e tantas outras obras valiosíssimas, não consegue perceber muito bem na sua pesquisa religiosa os textos bíblicos sobre os quais quer efabular?!!?? Deixai-me confessar que acho isto de um estado primitivo incrível... Acredito (como tenho a certeza que acreditaria Pessoa) que eram necessários muitos Saramagos neste mundo para cultivar mais inteligência. Deixo algumas linhas de um texto de Pessoa, que extraí de"Ideias Políticas" como forma de abrir o apetite para a crónica da sempre fabulosa Inês Pedrosa:
" Portugal precisa dum indisciplinador (...) Trabalhemos ao menos - nós, os novos - por perturbar as almas, por desorientar os espíritos. "

O Muro do Fundamentalismo (Inês Pedrosa)

Saramago tem o direito de ler na Bíblia o que lá está escrito.


"Caim", de José Saramago, é um romance, isto é: uma ficção literária. É, além disso, um bom romance, isto é: uma narrativa de grande beleza, que rasga o tecido dos saberes sossegados e ergue um vendaval de perguntas. No lançamento deste romance, no "Escritaria" de Penafiel, evocando o Padre António Vieira, Saramago recordava essa coisa só aparentemente simples: escrever é "conhecer o sítio das palavras". A sua disposição exacta na frase.


Escrever é escolher, e a escolha pressupõe conhecimento das múltiplas possibilidades em jogo. Saramago debruçou-se sobre a Bíblia, o livro que determinou e determina ainda a visão do mundo que nos enforma, e interrogou as escolhas de deus - assim, com a mesma letra minúscula que usa para cada membro da humanidade por ele criada, porque é preciso abandonarmos a maiúscula da reverência quando queremos interrogar genuinamente. E viu-se mergulhado num dilúvio de vozes escandalizadas - algumas, poucas, de forma transparente, e a maior parte delas disfarçando o escândalo nas trincheiras da análise intelectual de segundo ou terceiro grau.

Explicam-nos essas vozes doutas, esforçando-se por conter a ira nos infolios da erudição (às vezes mal; salta-lhes o tom), que a Bíblia não pode ser lida de forma literal: tudo o que lá está é para ser interpretado, deduz-se que pelos doutores que reclamam a interpretação. Talvez por isso, de facto, a Igreja Católica nunca tenha feito grande esforço para publicitar o Velho Testamento, antes pelo contrário: nos meus dez anos de catequese consecutiva só me mandavam ler o Novo Testamento, e por partes.

Quando, em 1991, Saramago publicou "O Evangelho Segundo Jesus Cristo", a polémica foi alta, mas o escândalo circunscreveu-se às instâncias religiosas propriamente ditas - e a um patético senhor do PSD, então com poder bastante para impedir que a obra fosse considerada num prémio europeu. Agora apareceu outro senhor do PSD, felizmente sem poder, a pôr-se em bicos dos pés para aproveitar a onda.

O escritor leu e releu a Bíblia e verificou uma evidência: que ela é um "manual de maus costumes, um catálogo de crueldades". Aliás, Saramago não foi, nem pretende ser, a primeira alma a ter feito essa verificação: sim, a Bíblia é também, entre outras coisas, esse catálogo. Há cerca de dois anos, Christopher Hitchens publicou "Deus não É Grande - Como as religiões envenenam tudo" e Fernando Savater publicou "A Vida Eterna", dois excelentes livros sobre a questão da maldade divina - ou de como os homens inventaram deus para se matarem uns aos outros. Na época, não vi nenhum dos que agora se assanham contra Saramago contestar as teorias idênticas de Hitchens ou Savater. É curioso que um romance, mesmo antes de ser lido, cause um terramoto que nenhum destes ensaios causou.


Uma vez um padre irritou-se comigo porque eu me recusei a ler, num casamento, aquela célebre carta de São Paulo que começa por dizer que o homem é a cabeça da mulher como Cristo a cabeça da Igreja, e exigi ler um texto do Génesis que a ele lhe parecia "muito carnal". Necessitado de exegese e enquadramento, portanto. Sucede que numa sociedade laica e livre ninguém tem que se fixar às leituras alheias.


A acusação, repetida por intelectuais (e aparentados) de diversos quadrantes, de que, ao escolher a letra da Bíblia, Saramago manifesta um espírito fundamentalista igual ao dos que, em nome da sua Bíblia (no caso, o Corão, que aliás tem muitos enredos e personagens em comum com a Bíblia), se explodem a si mesmos e aos outros, não tem razão de ser.
Há uma diferença radical entre escrever e matar, perguntar e bombardear, exercer a liberdade e proibi-la. Estas mistificações têm um objectivo: o de rasurar como terroristas, loucos ou ignorantes os que pensam de maneira diferente. Isso, sim, é fundamentalismo. Verifico, com preocupação, que esse fundamentalismo permanece muito aceso em Portugal.


Saramago tem o direito de ler na Bíblia o que lá está escrito. Cada palavra existe na frase para dizer alguma coisa - é aquela palavra e não outra que lá está. Todo o livro digno desse nome traça um pacto sagrado com a justeza de cada palavra. Escreveu Walter Benjamin: "A arte de narrar tende a acabar porque o lado épico da verdade - a sabedoria - está a morrer." A obra de Saramago prova que esta morte não está iminente.
E conseguiu já um feito notável: trazer para o horário nobre da televisão o debate sobre os fundamentos da nossa civilização, o sentido da vida e da morte - em vez da politiquice e do futebol que são os únicos debates constantes neste nosso mundo de crentes.



Texto publicado na edição do Expresso de 31 de Outubro de 2009

Sobre o mesmo assunto, leia-se (com a minha alegria, caso contrário, não vale a pena...) o artigo de Carlos Reis sobre "Caim" no JL desta quinzena.