quarta-feira, 31 de março de 2010

Joschen Lempert e o episódio do pássaro


                                            1.
                                 2.


                                 3.

                                  4.
Deixo as fotografias deste fotógrafo que me encanta, talvez por valorizar, como eu, os animais e suas expressões e intuitos e os recantos da natureza que parecem esquecidos da gente que passa.

Esta semana impressionou-me o embate de um pássaro contra o vidro do bar dos alunos. Caiu de imediato, após um estrondo que fez as cabeças de todos virarem na direcção desse acidente aéreo completamente imprevisto para aquele pequeno ser alado. Com comoção foi socorrido por um aluno que se baixou a medo para o apanhar e lhe concedeu a última oportunidade de escapar à morte ou ao desmaio, ninguém sabia ao certo, estremecendo a mão onde ele estava estendidamente estático, com as penas cinzentas a lembrar as cinzas em que, num instante tão fugaz como aquele do embate, ele se podia novamente metamorfosear...
Por mim, pensei com força que ele ainda se encontrava vivo, acho até que com a mesma força que Peter Pan e os seus amigos gritaram que acreditavam em fadas para que a Sininho sobrevivesse... e, ao fim e ao cabo, a minha força resultou no despertar do pássaro que já com a janela aberta esvoaçou, por instinto, no preciso momento em que abriu os olhos. Reparei no descolar repentino de assustado.
Deixei que todos se ausentassem depois do novo toque de campainha para a entrada nas aulas e, por fim, reabri o janelão com muito cuidado para não embater nele, tão limpo estava que se imiscuía na natureza. Espreitei para ver sinal dele e nada.
De repente, no ramo de uma árvore próxima reparei num ponto escuro pousado num extremo do equilíbrio e num acenar de asas que compreendi perfeitamente que só podia ser para mim.

2 comentários:

Anónimo disse...

ola patita,
gostei do episódio do pássaro fico à espera de mais histórias para os meus 8 anos.



beijinhos da tua afilhada

Leitores SOS Murça disse...

Doçura:

também eu (à semelhança da tua linda afilhada) apreciei a estória do pássaro! "Ele há cada coisa"... e de facto o pássaro esperou por ti amiguinha... quis-te saudar! muitos beijso