domingo, 10 de outubro de 2010

DOS FILÓSOFOS E DOS POETAS


«Dos filósofos e dos poetas sabe-se pouco; no entanto, uma certeza: não são como os outros; não mudam.
Se Procrustes, o bandido de Ática, que depois de roubar os viajantes, os deitava numa cama de ferro, cortando-lhes os pés se estes fossem mais compridos que a cama, e esticando-os com cordas, no caso de serem mais pequenos; se, dizíamos, Procrustes, o bandido de Ática, aprisionasse um sábio ou um poeta, não teria dificuldade em transformar-lhes o corpo de acordo com as medidas da sua violência, mas o que jamais conseguiria era normalizar-lhes ideias, ou a vontade.»

Gonçalo M. Tavares, Histórias Falsas

1 comentário:

Leitores SOS Murça disse...

Doçura linda
Sabes da minha fixação por poetas e filósofos e como os considero partes do questionamento constante e necessário com que o ser humano se debate! Ambos se interrogam e interrogam a natureza, com sensibilidade, com o coração e com a razao!
Ainda que haja pseudo-intelectauais que considerãm os poetas seres inferiores aos filósofos... parvoíces, senão vejamos o nosso poeta-filósofo maior, o F. Pessoa! Para mim ele é provavelmente mais filósofo que poeta!
O Gonçalo demonstra neste texto que estes seres são necesários e os únicos que sabem ver!!!
Adorei este pequeno texto amiga do coração