sexta-feira, 25 de setembro de 2009

As Amigas - Gustav Klimt



Á Anabela Coelho,

AS AMIGAS

Guardo um xaile de papoilas num armário de mogno
Esse armário de mogno é alto e cor da terra molhada
Essa cor da terra molhada cheira às primeiras chuvas
Essas primeiras chuvas chamam o frio com elas
E desse frio se derrubam nas ruas os vestidos leves,
Se empurra as amigas por caminhos escuros e sujos até casa
Até essa casa distante para a qual de braços enlaçados correm
correm de braços enlaçadas levando alegres risadas
com que entram ligeiras e dobradas na cor das paredes quentes

Ouvem um pássaro negro que canta para outras aves esguias
Que as confunde com um quadro de Klimt ali num prego
pendurado ao lado do armário de mogno que é alto e guarda
um xaile de papoilas cheio de ramagens tecidas de fios de lã fina
e cores embrulhadas noutras cores que aquecem tudo ao redor

Com esse xaile de papoilas guardado no armário de mogno
Alto e cor da terra molhada ternamente para essa amiga.

Quero-te feliz, amiga!

2 comentários:

Anónimo disse...

Fico feliz por "conterrâneas" minhas terem um blog tão apetecível e com tantos motivos de interesse. É também salutar ver uma amizade tão sólida, assim manifestada desta forma tão profícua. Continuem que prometo ser um fiel seguidor.

do vosso leitor ....

anabela disse...

Querida amiguinha:
(Parece que temos o nosso primeiro fiel leitor e comentador!)

Obrigada pelo poema que escreveste para mim. Senti-o como se efectivamente de um xaile se tratasse, como se me aconchegasses e nesse aconchego voltasse a estar a teu lado de mãos entrelaçadas como tantas vezes fazemos! Revi-me saboreando talvez um chá, de pés nus, sentadas no chão, tentando inspirar uma aragem fresca que contrasta com a quentura da tisana mas que transporta um aroma a terra molhada! Como gosto do cheiro a terra molhada, doce amiga! Agradaram-me ainda os tons que imprimiste ao poema, tons fortes adensados pela pintura soberba de Klimt que decidiste colocar. Concordo querida amiga com a nossa nova imagem! Mostra outra faceta de nós que Picasso não conseguiu revelar com a pintura anterior: a de duas mulheres mais circunspectas, ousadas, inconformadas com a mediocridade mas aparentemente felizes e serenas, rodeadas de um ambiente todo ele onírico! Este ambiente é fabuloso, o tom vermelho da pintura tem mesmo a ver com a nossa personalidade inquietante e repleta de vontade de viver. Por conseguinte, achei que a escolha não poderia ser melhor! Concordo com a nossa nova imagem!
Obrigada pelos presentes, doce amiga, e prometo fazer-te feliz tentando ser feliz...
Muitos beijos
Anabela