sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Lempicka
É uma sorte cruzarmo-nos num ponto da linha da nossa vida com alguém como tu. Na viagem de carro até à escola, vim mesmo a pensar que isso é tão extraordinário como termos o azar de nos cruzarmos numa mesma estrada com algúem que porá fim à nossa vida violentamente, com uma distração na condução, um imprevisto, um descuido, uma embriaguez, uma tristeza agravada... Vi nisso o encanto da vida ... a surpresa de nos surpreendermos com o outro. Não sabermos a hora de nada. Tomarmos o nosso caminho como se o trajecto fosse outro a cada instante. Here to There de Michael Nyman abrilhantou este tempo de deslocação numa manhã a abrir-se de mistérios.

1 comentário:

anabela disse...

querida amiguinha

(Que lindo post!)
partilho da mesma opinião em relação a ti. Cruzar-me contigo na vida foi um folego de ar fresco! E uma raridade embora intimamente, ao observar-te de longe, imaginasse que quando esse encontro se desse jamais nos separaríamos e seríamos amigas para sempre! fico tão feliz porque assim se passou!
Adorei o verde que imprimiste a este post. És tu que eu vejo naquela pintura: enigmática, bela, inteligente, navegadora, sonhadora...
Acredito que o cruel e o belo são de facto indissociáveis. Já o referíamos em relação a Paula Rego ou a M Tavares. Acredito que essas imagens te assolam pois a mim acontece-me o mesmo.
Vamos vivendo e tentado ver apenas o lado belo...
Muitos beijos amiguinha