quinta-feira, 3 de setembro de 2009

A Casa das Histórias de Paula Rego

«A Casa das Histórias Paula Rego, com inauguração prevista para 18 de Setembro, em Cascais, vai estar aberta todos os dias entre as 10:00 e as 22:00 para aferir, numa primeira fase, as necessidades dos visitantes.De acordo com a directora do museu, Dalila Rodrigues, o novo espaço terá entrada gratuita "num período experimental", que visa "conhecer as necessidades e expectativas do público, decidindo-se depois o horário e um eventual dia de encerramento".
Com espaço total de 750 metros, o edifício todo em cor de tijolo desenhado pelo arquitecto Souto de Moura destaca-se na vila de Cascais pelas duas imponentes pirâmides de vértice cortado.
A Casa das Histórias Paula Rego está rodeada por um jardim, e vai ter esplanada servida por uma cafetaria, um auditório com cerca de duzentos lugares, biblioteca e uma loja-livraria, onde estarão à venda vários objectos com a iconografia da obra da artista, desde objectos de decoração e de uso pessoal, a canecas, marcadores de livros ou blocos de apontamentos.»

Fiquei visivelmente agradada com esta notícia! É que, e apesar do ar lunático desta artista!, adoro a irreverência das suas pinturas! É de facto uma das minhas pintoras portuguesas favoritas! Repare-se, a propósito, nesta imagem:
Ao vê-la e lê-la vejo os anseios de todo o ser humano: ser-se amado!
Porque é que ninguém beija esta mulher, disforme? Porquê?
A vida é muito cruel...

1 comentário:

Leitores SOS Murça disse...

Também adoro Paula Rego. Acho que ela conta verdadeiras histórias aos adultos. Criou um leque de personagens tão próprias do seu mundo de arte que é bem preciso alojá-las numa casa distinta como a que abrirá em Cascais. Gosto das linhas piramidais dos pavilhões, adoro a cor magenta, adoro a ideia... Queria ir lá contar muitas histórias a partir daqueles quadros fabulosos.
Como disse Mário Césariny numa entrevista: " Com tinta ou com letras tudo é pintura".

Aquela mulher de traços grosseiros toma uma atitude realmente rude, instintiva, animalesca em último grau... numa posição quase irracional, uiva por um carinho num espaço onde todos podem passar. Mendiga amor num estado puro, como um demente. Os quadros de Paula Rego despertam-me sentimentos contraditórios (dó, paixão, repugnância, desconcerto, lascívia...) como, afinal, os seres humanos deste mundo (e do outro!). Bjs minha querida Ana Bela Ana